Vontade que dá…

Então eu acordo. E com isso acorda também aquela vontade. Isso. Aquela vontade.

Eu acordo querendo ser acordada. Com uma passada de mão gostosa, com uma fungada no cangote dessas que bagunça a barba, o cabelo, a cabeça…

Eu tenho vontade. De sair de casa tarde. De demorar mais uns 15 minutos só pra desembaraçar o cabelo.

Tenho vontade de nem sair. Mas precisa. Essa vontade dá, mas não passa.

E daí dá vontade de falar putaria. De ouvir putaria. De trocar putaria. Dá vontade de brincar.

E nessas brincadeiras, entre mãos, braços e abraços a gente se pega, se beija, se puxa, se baba. E morre de sede. E mata todas as vontades.

Tem vontade que dá e passa. Tem vontade que só passa quando dá.

E eu aqui, tendo vontade, vivendo de vontade, morrendo de vontade.

11116471_10205842753695341_5059248213539877003_n

Advertisements

Os 5 estágios do relacionamento frustrado

Muitos de vocês já ouviram falar do Modelo de Kübler-Ross. Só não tem idéia disso ainda. Sabe aquele famoso vídeo da girafa que cai na areia movediça? Então… Só que esse modelo é mais conhecido por 5 estágios que precedem a morte. Geralmente isso ocorre em pacientes com doenças terminais. Vou explicar pra vocês como isso se adapta ao relacionamento frustrado.

Primeiro você conhece aquela pessoa incrível, acha que é a mulher (o homem) da sua vida. Que vocês vão se casar e ter filhos e serem felizes para sempre em sua casinha com cerca branca, um Golden Retriever chamado Thor, Mel, Cachorro e pensam até na casa na praia que vão comprar com o dinheiro da aposentadoria. Daí vem o balde de água fria e você dá de cara com a realidade e percebe que a vida não é um comercial de margarina. Sua vida está acabada.

Primeiro Estágio: Negação e Isolamento

Isso não está acontecendo comigo. Não pode. Nunca aconteceria. Isso é coisa de novela. Impossível na vida real. Tsc, que viagem.

Segundo Estágio: Raiva

Por que eu? O que foi que eu fiz pra isso ter acontecido comigo? Joguei chiclete na cruz? Passei rasteira em cego? Cuspi na cabeça de anão?? Ó vida, ó céus, ó raios.

Terceiro Estágio: Negociação

Senhor, eu sei que não tenho rezado muito mas também sei que não tenho pedido muita coisa pro senhor. Será que não daria pra colaborar e me ajudar a ficar com ele(a) de novo? Ele(a) me faz tão bem. Olha, eu prometo que se a gente voltar eu páro de fumar/comer chocolate/beber/insira aqui sua promessa.

Quarto Estágio: Depressão

Não quero mais saber de nada. Nada mais me importa. Não tenho razão pra saber de outras coisas, outras pessoas. Eu só quero ele(a) de volta.

Quinto Estágio: Aceitação

Eu já superei isso. Tô bem, sei que vai dar tudo certo. Era pra acontecer isso. Era pra ser assim…

E daí, depois de ter se recuperado de um terrível trauma, quando você menos espera, está na rua, feliz, cantarolando um Jota Quest super animado, e é atropelado. Fim.

Não confie em ninguém… Mesmo…

Agora curso jornalismo. É um curso legal. E tem um bar legal perto da faculdade. O que me motiva a ir mais a faculdade, mesmo quando não tenho aula. (Mãe, se você ler isso, eu juro que tô entrando nas aulas tá.)

Semana passada eu não ia pro bar porque, mesmo sabendo que posso eliminar a matéria de quarta, é melhor não arriscar ficar com falta a toa. A minha sorte é que a professora deu um trabalho e assim que entregássemos poderíamos ir embora.

Eis que vamos todos para o Campus 6, jogar a sinuca de toda quarta e tomar cervejas. Fui passar pelo bar pra atender o celular e um cara muito bonito me cutucou no meu triskel no ombro. Eu falei que iria atender o celular e voltava pra conversar com ele. Acabei esquecendo e, pouco antes de ir embora acabei esbarrando com ele e paramos pra conversar. Esse cara me pareceu super simpático e combinamos de nos encontrar no bar mais vezes. Depois ele pegou meu msn e começamos a conversar. Ele leu meus textos e até elogiou. (Ponto pra mim) Me chamou pra almoçar, tomar sorvete e tudo mais. Quando peço o orkut dele, descubro um NAMORANDO enorme no status do relacionamento. E digo mais. Quando o confrontei, recebi a seguinte resposta.. “Você não perguntou se eu namorava ou não…”

Tá… a culpa da falta de caráter de uma pessoa é minha. Falou.. Pior que ele até parecia ser um cara interessante…